Por subsistência familiar, juiz suspende penhora de imóvel rural

Por subsistência familiar, juiz suspende penhora de imóvel rural

registro-de-imoveis
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Magistrado também entendeu que imóvel de devedor se configura como pequena propriedade rural.

Reconhecendo que um imóvel rural se enquadra como pequena propriedade, além de ser fonte de subsistência familiar, o juiz de Direito Rodrigo de Castro Ferreira, da 1ª vara Cível de Anápolis/GO, declarou a impenhorabilidade da área dada em hipoteca.

Na defesa, o agricultor alegou que a área penhorada possui 29 hectares, ou seja, é inferior ao módulo fiscal do local onde se encontra, que tem 16 hectares por módulo. Além disso, os advogados comprovaram que o imóvel rural é explorado com a finalidade produtiva e complementa a renda familiar, devendo, portanto, ser considerado como um meio de subsistência, o que inviabiliza a penhora do bem.

O magistrado considerou tais argumentos e, em sua decisão, pontuou que o imóvel “se amolda perfeitamente no conceito de pequena propriedade rural definida na norma constitucional e infraconstitucional”.

Também destacou que a definição legal de “pequena propriedade rural” está prevista no art. 4º, inciso II, alínea “a”, da lei 8.629/93, que a caracteriza como aquela que possui até quatro módulos fiscais, respeitada a fração mínima de parcelamento.

Além disso, recorreu ao entendimento do STJ de que “a pequena propriedade rural, trabalhada pela família, é impenhorável, ainda que dada pelos proprietários em garantia hipotecária para financiamento da atividade produtiva”.

Diante do exposto, o magistrado determinou a suspensão da penhora de imóvel rural hipotecado.

Os advogados João Domingos e Leandro Marmo, do escritório João Domingos Advogados, atuam pelo produtor rural.

Processo: 5280956-60.2018.8.09.0006

Fonte: Migalhas

Últimas notícias