CRA do Senado aprova projeto para facilitar regularização fundiária na Amazônia

CRA do Senado aprova projeto para facilitar regularização fundiária na Amazônia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado Federal aprovou, nesta quarta-feira (12), o relatório favorável do senador Jaime Bagattoli (PL-RO) ao Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 467/2023. Proposto pelo senador Marcos Rogério (PL-RO), o projeto visa revogar as restrições impostas pelo Decreto 11.688/2023, que limitam a destinação de florestas públicas para regularização fundiária na Amazônia Legal e em terras do Incra.

O Decreto 11.688/2023 restringe a utilização de florestas públicas a certas políticas, como a criação de unidades de conservação, a regularização de terras indígenas, territórios quilombolas, comunidades tradicionais, concessões, e outras ações compatíveis com a gestão sustentável das florestas.

Em seu relatório, o senador Jaime Bagattoli destacou que o PDL busca restaurar a segurança jurídica e promover a regularização fundiária, permitindo que agricultores familiares continuem a buscar a titulação de suas terras. “O Decreto 11.688 proibiu a destinação de terras públicas federais ocupadas por florestas para a realização de reforma agrária,” explicou Bagattoli.

Com base nesse decreto, o Incra determinou a interrupção de todos os processos de regularização fundiária até que se definam as regras para identificação de florestas públicas. A aprovação do PDL resultará na suspensão imediata desse ofício.

O senador Marcos Rogério, autor do PDL, argumentou que as restrições impostas pelo Decreto 11.688/2023 são um obstáculo à regularização fundiária e penalizam os trabalhadores rurais na região da Amazônia. “Isso vai contra os objetivos estabelecidos pela Lei nº 11.952/2009, prejudicando a disponibilidade de áreas para regularização e representando uma ação oportunista e desleal com os agricultores, principalmente os mais pobres,” afirmou o senador.

O PDL segue agora para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Fonte: Agrimidia

Últimas notícias